Homepage site Jam

10 Princípios de Um Website Persuasivo

Pedro Holstein Uncategorized 0 Comments

JAM site

Todos os dias, ao sair de casa, está exposto a situações de persuasão. Mesmo que não se aperceba disso. Não é por acaso que existem filas à porta das discotecas ou que alguns restaurantes são impossíveis de conseguir uma reserva.

No livro clássico “Influência: A Psicologia da Persuasão”, Robert Cialdini relata um destes casos de persuasão inconsciente que aconteceu consigo.

Sem saber como ou porquê, o autor encontrava-se numa loja de brinquedos a comprar um presente de Natal para o filho. O problema? Era Janeiro e o Natal já tinha passado.

Bónus Exclusivo: Faça Download deste mega artigo em PDF (são mais de 30 imagens e quase 4300 palavras). Inclui os estudos mais recentes na área da persuasão e influência comportamental. 
 

Porque Razão se Encontrava o Autor Numa Loja de Brinquedos em Janeiro?

 

Ao que parece, as empresas de brinquedos não vendem muito depois do Natal.

Para dar a volta a este problema, algumas empresas criam anúncios para um brinquedo específico e passam-no durante os meses anteriores ao Natal.Assim, as crianças pedem aos pais para lhes oferecer aquele brinquedo.

presentes de natal

Imagem: Pascal

Aqui entra a estratégia de persuasão. Quando os pais tentam comprar o brinquedo, descobrem que está esgotado em todas as lojas. O que não sabem é que algumas empresas, propositadamente, enviam poucos exemplares do brinquedo para as lojas, de forma a que esteja sempre esgotado.

Os pais não têm outra escolha que não seja comprar um brinquedo diferente para os filhos.

O problema vem a seguir. Em Janeiro, as empresas de brinquedos voltam a colocar o anúncio do presente prometido. As crianças, furiosas, queixam-se aos pais: “Prometeste que me davas aquele”. Alguns pais, levados pelo remorso,  lá vão procurar o tal brinquedo.

Desta vez não está esgotado. Sucesso! Quanto às empresas, conseguem vender dois brinquedos por criança em vez de um só. Dobram o seu lucro por criança. Os pais? Esses nem se apercebem do que acabou de acontecer.

Os Portugueses São Mais Solidários do que os Alemães?

 

Se der uma vista de olhos pelos números da doação de orgãos, pode ver que Portugal é um dos países da Europa com a taxa mais alta. Quase 100%. Por outro lado, a Alemanha encontra-se nuns meros 12%.

gráfico de doação de orgãos na Europa

Isto significa que somos mais solidários do que os Alemães?  Porque será que temos um número tão alto comparativamente com outros países como a Dinamarca ou a Holanda?

A razão principal? Em Portugal, para se ser um doador de orgãos, basta não assinar a cruz que diz: “Não quero participar no programa de doação de orgãos”. Na Alemanha, é preciso fazer o contrário. Assinar a cruz onde diz: “Quero participar no programa de doação de orgãos”. Em Portugal, a norma é ser-se doador de orgãos. As pessoas vão maioritariamente para o que é “default”, o padrão normal.

Os Utilizadores Raramente Mudam as Passwords

 

A Elcomsoft realizou um estudo com o objetivo de descobrir qual a percentagem de pessoas que alteravam as suas passwords de origem.

estudo sobre alteração de passwords de origem

  • Apenas 25% dos inquiridos admite alterar as passwords com frequência
  • Outros 25% admitem nunca ter alterado a password e que no futuro é pouco provável que o faça
  • Mais de 50% dos inquiridos admite utilizar a password de default sem alterá-la

Mesmo numa matéria tão importante como a segurança de informação profissional, a maior parte das pessoas não altera as suas configurações de base.

Se quiser que as pessoas tomem a ação que deseja, torne essa ação a opção de default. A opção base, na qual não tenham de mexer.

Conheça o Seu Público Alvo

 

Para aumentar as suas conversões, tem de conhecer o seu público. Tem de saber porque usam o seu site. Porque compram ou não compram. Tem de saber o que pensam racionalmente e aquilo que o site os faz sentir.

Existem várias formas de conhecer o seu público. Questionários online, serviços de chat ou serviço de apoio ao cliente. Precisa de saber responder a perguntas importantes como:

  •  “Porque razão não comprou?”
  •  “Tem alguma dúvida que o site não consegue responder?”

10 princípios de um website persuasivo

Quando souber responder a estas e outras perguntas, é importante que o seu site tenha presente os 10 princípios de persuasão:

1. Reciprocidade

 

Voltando a referir a obra de Rober Cialdini, o autor revela um estudo onde um empregado de mesa oferece um chocolate de menta com a conta da refeição.

A sua gratificação aumenta em 4%. Se deixar dois chocolates, as gorjetas aumentam em 14%. Num último caso, quando o empregado oferecia um chocolate e depois voltava atrás para oferecer o segundo, as gorjetas aumentavam em 23%!

chocolates de menta after eight

Imagem: ZohaNve

O fator mais curioso da teoria da reciprocidade é que não precisam de ser ofertas equivalentes em valor. Por receber dois chocolates de menta, a pessoa pode ser levada a oferecer uma gratificação muito superior ao valor dos chocolates. Isto aplica-se a todo o tipo de ofertas.

A força deste princípio vem dos primórdios da psicologia humana. Desde que somos pequenos que nos é ensinado: quando nos oferecem uma coisa, devemos oferecer algo em troca.

 

Existem várias formas de reciprocidade online:

  • Pode oferecer uma amostra do seu produto
  • Ter uma zona do site só para quem se inscreve
  • Oferecer uma versão grátis do seu serviço, para que os clientes o possam testar

2. Compromisso

 

Daniel M. Stults e Lawrence A. Messé da Universidade de Michigan realizaram um famoso estudo sobre o impacto do compromisso público na tomada de decisões. Criaram três grupos. No primeiro, os alunos teriam de afirmar publicamente, qual a sua opinião acerca do problema em questão.

Os membros do segundo grupo teriam de escrever a sua opinião num pedaço de papel. Aos alunos do terceiro grupo foi pedido que mantivesem a sua opinião em segredo.

Quando confrontados com a solução do problema, os alunos do primeiro grupo, eram aqueles que tinham maior dificuldade em mudar de opinião. Defendiam-na até à exaustão, mesmo sabendo que estava errada.

Quando expressamos a nossa opinião de forma pública, sentimos a necessidade de a defender. Nem que seja para mantermos uma aparência de consistência e confiança naquilo que dizemos.

compromisso da cadeia Pestana Hotels
A cadeia de hóteis Pestana faz bom uso deste princípio. Incentivam os clientes a partilhar fotografias das suas estadias em hóteis do grupo. Isto ajuda a criar um sentido de compromisso e de apoio para com os hóteis que visitaram.

Se quer tirar partido do princípio do compromisso, peça testemunhos públicos aos seus clientes. Faça com que o apoio à sua marca seja visto por todos.

3. Autoridade

 

Confiamos mais em informação quando reconhecemos que essa informação é comunicada por um especialista. Como é que isto se reflete num website? A Universidade de Stanford criou um departamento especializado em estudar a credibilidade online.

Em 2003, realizaram ume estudo intitulado “How do users evaluate the credibility of Web sites?“. Nele participaram mais de 2684 estudantes, sendo o objetivo avaliar a credibilidade que cada um dava a sites típicos em áreas como a saúde e o comércio eletrónico. A resposta mais frequente foi o design do site, em 46.1% dos comentários dos alunos. A estrutura da informação e o seu foco vinham a seguir.

Isto significa que as pessoas dão mais importância ao design do site do que à informação que contém? Já discuti aqui a importância das primeiras impressões e do impacto duradouro que podem ter. O design é importante para essa primeira impressão. Se não for acompanhado de bom conteúdo, de nada serve.

Diário Económico exemplo de um site autoritário
O Diário Económico alterou a sua imagem e consegue aliar estas duas premissas: uma boa imagem e um conteúdo autoritário.

É importante que não confunda autoridade com prova social. A Autoridade advém de uma figura ou empresa, que é reconhecida como competente e com uma opinião “mais correta” ou “mais informada” do que as restantes.

O princípio da autoridade é tão forte, que muitas vezes acreditamos em algo que nos é dito, só porque é dito por aquela pessoa ou empresa.

4. Escassez

 

A escassez tem um efeito engraçado. Faz com que as pessoas atribuam mais valor a um produto, só porque é escasso. Já alguma vez deu por si a querer comprar uma coisa só porque lhe disseram: “É o último, já não temos mais disponíveis” ?

De repente, tem um dilema. Se eu não comprar agora, nunca mais vou poder comprar isto. O valor do produto, na sua mente, disparou.

cerveja pliny the elder

Repare no caso da cerveja Pliny the Elder. Uma cerveja tão desejada que as lojas onde se vendem limitam a venda a “x” garrafas por cliente. Existem até lojas onde só se pode vender 1 cerveja por cliente. As próprias carrinhas de entrega passaram a estar disfarçadas por haver clientes que as seguiam de loja em loja para comprar a cerveja.

Um cliente, quando questionado sobre o porquê de comprar aquela cerveja respondeu, “Ouvi que faziam entregas neste dia e que só vendiam uma garrafa por cliente. Fiquei curioso”.

 

5. Prova Social

 

Investigadores da Universidade de Columbia realizaram um estudo com o objetivo de testar o princípio da vantagem cumulativa. Este conceito parte do princípio que as pessoas gostam mais de coisas que outras já aprovaram.

Isto significa que se um “objeto” se torna mais popular do que outro, mesmo que ligeiramente, na altura e com as condições certas, tem a tendência a tornar-se ainda mais popular.

site da Blitz sobre músicaNeste estudo, os investigadores criaram um mercado de música online chamado “The Music Lab”, com mais de 14000 pessoas a registarem-se no site. Aos participantes foi pedido que ouvissem, classificassem e fizessem download de músicas de artistas que nunca tinham ouvido. Foram criados dois grupos:

  • No primeiro, os participantes apenas tinham acesso aos nomes e músicas das bandas.
  • No segundo, tinham também acesso ao número de pessoas que tinham ouvido e feito download das músicas. Este grupo foi ainda sub-divido em 8 grupos. O objetivo foi criar oito “mundos paralelos”, onde cada um dos grupos só teria acesso ao número de downloads do seu grupo.

Nos grupos onde havia acesso aos números de escutas e downloads, as músicas que se tornaram um sucesso tinham ainda mais sucesso e as músicas menos populares eram ainda mais impopulares. Nas palavras dos investigadores: “Aquilo que as pessoas gostam depende daquilo que acham que os outros gostam” e por essa razão é difícil prever o que o mercado realmente “quer”.

Existem várias formas de usar prova social no seu site:

  • Mostrar números de seguidores nas redes sociais
  • Antigos clientes e testemunhos
  • Mostrar quem já comprou ou está a comprar (como fazem os sites de hóteis tipo Booking.com)

6. Claridade Acima de Tudo

 

Quando confrontado algo que não conhece, o seu cérebro entra em modo sobrevivência, também conhecido por “cérebro reptiliano”.

  • Será que posso comer?
  • Será que me vai comer a mim?

imagem do cérebro reptiliano

Imagem: AllanAjifo

É por isso que o seu site deve ser claro. Quando alguém chega a qualquer página, deve saber responder a estas perguntas:

  • O que é este site?
  • O que posso fazer aqui?
  • Tenho algum interesse nisto?

Responder a estas perguntas tem de ser fácil e rápido. Não é por acaso que sou um fã dos sites minimalistas e simples. Não sou só eu. Num estudo feito pela Hubspot, perguntaram aos inquiridos: “Qual é a coisa mais importante no design de um website?”. 76% das pessoas responderam: “Ser fácil encontrar coisas que me interessam”.

Estudo da Hubspot sobre design

É por isso que o seu site tem de óbvio. Fácil. Simples. Quando alguém chega à homepage, tem de saber o que ganha em lá estar e porque deve continuar.

7. Apelo Visual

 

Qual é o impacto do design na confiança que os utilizadores têm num site e na qualidade do seu conteúdo?

Num estudo intitulado “Trust and Mistrust of Online Health Sites“, investigadores ingleses da Universidade de Northumbria procuraram responder a esta pergunta.

Aos participantes foi pedido que procurassem na internet, informações relativas à sua saúde. Depois, foi lhes pedido que discutíssem as primeiras impressões dos sites que visitaram.

estudo sobre a confiança online

De todos os fatores mencionados para rejeitar e desconfiar de um site, 94% estavam relacionados com o design e apenas 6% mencionaram o seu conteúdo.

Alguns dos fatores de desconfiança foram:

1. Site complexo e demasiado preenchido

2. Design chato e sem cor

3. Introdução lenta ao site (páginas flash e tempos de loading)

4. Demasiado texto ou texto pequeno

5. Dificuldade de navegação e um “look” corporativo

Um pequeno excerto do estudo que explica bem este problema :

“A aparência dos sites foi muito importante para os participantes. O apelo visual e problemas de navegação influenciavam negativamente a sua primeira impressão dos mesmos. Nos casos onde os participantes não gostavam de algum aspeto de design, o site deixava imediatamente de ser explorado, não passando a visita da homepage”.

A Feed Music é o exemplo de um design excelente.

Homepage Feed Music exemplo de bom design

As primeiras impressões são importantes por 3 razões:

  • geram maior satisfação
  • o apelo visual é mais importante do que a utilidade na ótica do utilizador
  • as primeiras impressões podem durar anos

Se tem bom aspeto é porque deve ser bom. Se tem maus aspeto, não quero experimentar e deve ser mau. Ao que parece, julgamos mesmo os livros pela sua capa.

O que é um Bom Design

 

Podemos ter gostos diferentes. Um site não é bom por ter uma certa cor. Existem preferências pessoais. Felizmente a Google facilitou a nossa vida e realizou um estudo para determinar quais os dois principais fatores que nos fazem “gostar de um website”.

Os resultados? As pessoas gostam de sites visualmente simples e “prototípicos” (se um site representa o que esperamos dessa categoria de sites).

O que é que isto significa para si?

exemplo de um mau site

Eu sei que é um caso extremo mas este é um exemplo do que não fazer. O site tem problemas técnicos, as imagens são pequenas, usa várias core diferentes e é impossível perceber o que deve fazer ou onde clickar.

exemplo de um bom design de ecommerce O site da La Redoute é um exemplo de um site prototípico e simples. Boa utilização do espaço vazio e da homepage com uma grande imagem a chamar a atenção para o essencial.

8. Hierarquia Visual Forte

 

O seu cérebro tem um padrão. Não olha para uma imagem de forma aleatória. Quer um exemplo? Repare nesta imagem e tente enumerar os círculos, por ordem de importância:

imagem de círculos

Sem saber nada sobre essa imagem, tenho a certeza que conseguiu ordená-los. Como é que sei isso? Os tais padrões do cérebro. A isto se chama hierarquia visual.

Certas partes do seu site são mais importantes do que outras (a sua proposta de valor, os botões de compra, os formulários) e quer que elas recebam mais atenção.

Comece Pelo Seu Objetivo Principal

 

Deve saber ordenar os elementos da sua página por ordem de importância. Se não tem um objetivo, não sabe o que deve ter prioridade.

Aqui está um exemplo do site da H3, conhecidos pelos seus hambúrgeres e pelo slogan “Not so fast food”.

hierarquia visual no site H3

O que chama mais a atenção é o hambúrguer. A seguir temos o título principal para sabermos do que se trata. Por fim olhamos para a descrição e para o menú principal no topo. Tudo está feito para chamar a atenção para o que interessa, a carne. Isto é hierarquia visual bem feita.

A Importância do Espaço Branco

 

Quanto mais espaço vazio existir no seu site, maior atenção é dada aos elementos que existem na página.

A Desigual é uma marca que vende, entre outras coisas, malas e bolsas de senhora. O que chama a sua atenção nesta página? A mala vermelha claro!

bolsa vermelha desigual

Parece óbvio mas não é. A maior parte dos sites ecommerce, especialmente os de língua portuguesa, não fazem isto. Têm imagens mais pequenas, enchem a página de texto e de números.

As pessoas compram coisas baseado no que vêem. Aumente o tamanho das suas fotografias e reduza o resto.

9. Conservar Atenção – Como Atrair e Manter a Atenção das Suas Visitas

 

As suas visitas já sabem que o seu site lhes interessa. O design é bom e tem uma boa hierarquia visual. E agora? Como é que evita que saiam passados 30 segundos? Tem de conservar a sua atenção, custe o que custar.

Quatro conselhos para manter a atenção das suas visitas:

1. Imagens grandes. Poucas coisas chamam tanto a atenção como uma imagem grande. Não se esqueça é que essas imagens têm de ser relevantes para o seu conteúdo.

Diário de Notícias homepage

O Diário de Notícias usa imagens grandes para captar a atenção das suas visitas. É um site mais visual e por isso, distingue-se de outros sites de informação que dão mais prioridade ao texto.

2. Fotografias de pessoas. De preferência, fotografias de pessoas a olhar diretamente para a visita. Olhar uma pessoa nos seus olhos é uma forma de atrair a sua atenção. Uma execepção: não use imagens de stock. Dão um ar impessoal e falso ao seu site. Ninguém gosta dessas imagens. Use fotografias de pessoas reais.

CoworkLisboaA CoworkLisboa usa esta ideia da melhor forma. Fotografias de pessoas reais e bem dispostas.

3. Constraste. O contraste é uma das melhores formas de chamar a atenção das suas visitas. Os nossos olhos estão constantemente à procura destas diferenças. É por esta razão que as imagens de antes e depois funcionam tão bem no mercado da saúde e do fitness. Ajudam-nos a projetar o futuro e a visualizá-lo.

antes e depois transplantes capilares

A Master Group usa várias imagens de antes e depois no seu site. O contraste funciona em todo o tipo de sites e irá ajudá-lo a captar a atenção das suas visitas.

4. Surpresa. Aquilo que já conhece não lhe surpreende. Se não lhe surpreende, não chama a sua atenção.

 

site da polecat

A Polecat é um exemplo de que ser diferente pode ser bom. Apetece muito mais ler este site do que outros onde aparece um telemóvel gigante ou uma imagem de stock falsa com uma equipa a rir.

Já Atraí a Atenção das Minhas Visitas. Agora o que Faço?

 

Vamos pôr o problema ao contrário. O que é que não deve fazer:

1. Escrever paredes de texto.

2. Ser egocêntrico e falar de si.

exemplo de um mau site

Aqui está um exemplo do que não fazer. Vamos por partes?

  • “Bem vindo ao nosso site” – Sim eu sei, sou bem vindo em qualquer site da internet pública. Esta frase não acrescenta nada de valor à visita.
  • “Percebemos de organizações e acreditamos no valor das pessoas” – E? O que é que isso me interessa? Que bom para vocês!
  • “Temos uma oferta… A nossa abordagem… o nosso modelo…” – Quando é que vão falar de mim? O que é que eu ganho em estar neste site?
  • Uma parede de texto gigante que ninguém quer ler e uma linguagem de jargão, escrita a pensar noutros consultores e não nos clientes.

Não seja egocêntrico. Pense antes, o que é que a visita ganha em estar no meu site? Quando souber a resposta, transmita isso, em todos as palavras e imagens que usar.

Não Tenha Um Design Previsível

 

O seu site tem de ser interessante. Não só o design como a cópia. Isto quer dizer que não pode ser previsível. O cérebro está constantemente à procura de padrões. Assim que os estabelece, começa a perder foco e interesse. Aquilo que é previsível ou repetitivo torna-se desinteressante. O que é diferente, chama a sua atenção como prova este estudo de Neurociência.

Homepage The Society

Como é que pode usar isto no seu site? Pode, por exemplo, estruturar a informação de forma imprevisível. Em vez de estar tudo arrumado de forma simétrica, tente criar um “caos organizado”. Isto obriga o seu cérebro a estar sempre a tentar “adivinhar” o que vem a seguir.

Ajude as Suas Visitas a Escolher

 

Não há nada pior do que um mau filtro de procura. Quando escreve “vinho tinto alentejano”, carrega no botão de procurar e aparecem várias garrafas de vinho do Douro. Reduza o número de hipóteses possíveis. Demasiada escolha aumenta o interesse inicial mas reduz a capacidade de escolher como prova este estudo.

filtros de procura Onwine

Crie mais filtros de procura. Se isso não for possível, dê um destaque maior aos produtos. Ajude as pessoas a escolher. Aquilo que está destacado, chama mais a atenção e é escolhido. Veja o exemplo da Onwine.

Fotografias de Produtos

 

Ajude as suas visitas a escolher. Nada melhor do que uma boa imagem para mostrar o seu produto. A maior parte dos sites de e-commerce comete dois erros:

  • Demasiados artigos por página.
  • Imagens muito pequenas.

É difícil ficar atraído por um produto que mal se vê. Opte por reduzir o número de artigos por linha e aumente o seu tamanho.

A maior parte dos sites é assim:

exemplo de site de sapatos

É dificil haver um par de sapatos que se destaque.

site de sapatos Zara

Repare no site da Zara. Cada linha tem apenas dois pares de sapatos, com direito a uma imagem grande. Repare também na diferença de conteúdo. Nada de letras, etiquetas, números riscados. O que interessa são os sapatos. Assim é que se faz uma página de produtos. Focando-se no que interessa, o produto.

O Caso das Duas Galinhas

 

Para ajudá-lo a perceber a importância de uma imagem, apresento o caso das duas galinhas, um estudo realizado por investigadores da Universidade de Austin, Texas.

Os participantes do estudo foram dividos em dois grupos:

  • Ao primeiro grupo, foram mostradas duas imagens. Uma galinha com aspeto gordo e saudável e outra galinha magra e com aspeto doente. Foi dito a este grupo que a galinha gorda era mais saudável mas menos saborosa. A galinha magra por outro lado, era menos saudável mas mais saborosa.
  • Ao segundo grupo, foram mostradas as mesmas imagens. Neste caso foi-lhes dito que a galinha gorda era mais saborosa mas menos saudável. A galinha magra seria mais saudável mas menos saborosa.

galinha saudável

galinha doente

Quando perguntado qual das duas preferiam consumir, a resposta foi universal: a galinha mais gorda e com melhor aspeto. O engraçado é como justificaram a sua resposta. Os participantes do primeiro grupo responderam que preferiam a galinha com bom aspeto por ser uma refeição mais saudável. Os participantes do segundo grupo justificaram a sua escolha como preferindo uma refeição mais saborosa.

A verdade é que escolheram aquela galinha por ser a que tinha melhor aspeto. A seguir justificaram a sua decisão emocional com argumentos racionais que suportavam essa decisão.

A lógica e a razão são valorizadas. A emoção não é. Por isso mesmo tentamos arranjar justificações lógicas para decisões emocionais.

Conclusão: a aparência interessa. Uma boa imagem aumenta as suas conversões.

10. Uma Ação por Página, Quando as Suas Visitas Estiverem Prontas

 

Como vou voltar a falar do paradoxo das escolhas, chegou a altura de provar esta teoria.

Em 2000, os psicólogos Sheena Iyengar e Mark Lepper da Universidade de Columbia publicaram um estudo revelador que pode ler aqui.

No primeiro dia, aos clientes de um supermercado, era apresentado um balcão com 24 variedades de compota que podiam provar. No dia seguinte, o mesmo balcão só tinha 6 variedades de compota.

balcão de compotas

Imagem: Abriz44

No primeiro dia, 60 % das pessoas que passaram pelo balcão pararam para olhar para as compotas. No segundo dia apenas 40% das pessoas pararam. Ao que parece, uma maior escolha atrai mais pessoas.

Mas será que esse interesse inicial se traduzia numa maior compra de compotas? Segundo este estudo, a resposta é negativa. No primeiro dia, apenas 3% dos consumidores decidiu comprar uma compota. No segundo dia, 30% das pessoas compraram uma compota.

Os clientes que encontraram demasiada escolha (24 compotas) acabaram por não comprar nenhuma. Aqueles que foram expostos a uma menor escolha, acabaram por comprar mais. Muito mais.

Como é que isto se traduz em algo que pode utilizar no seu site? Reduza o número de escolhas que o seu cliente pode tomar. Não lhe peça várias coisas por página. No máximo, uma ação por página.

Só Quando Estiverem Prontos

 

Se o seu cliente acabou de chegar ao seu site, não lhe peça para se inscrever, antes sequer de saber o que é o seu site e sobre o que trata.

  • “Não lhes conheço, nem confio neles e já me estão a pedir a morada e o número de telefone?”

A sua homepage tem de agarrar a visita. Tem de responder à pergunta mais importante que qualquer pessoa faz quando chega ao seu site: “Porque razão hei-de ficar aqui”?

Segundo um relatório da IDC, 50% das compras não se concretizam devido à falta de informação. Se não tiverem informação suficiente para tomar uma decisão, as suas visitas não compram.

homepage da MEO

 

O site da MEO respeita estre princípio. Uma ação com um botão (podia ser maior). Repare como não usam logo a expressão “comprar”. Ninguém compra a partir da homepage. Queremos saber mais. Ao clickar, somos levados a uma página que explica o serviço.

Exemplo de pacote da MEO

Aqui temos o exemplo da utilização de uma “long page”. Para se vender um serviço é preciso explicar as suas vantagens. Só no fim é que lhe pedem o número de telefone. Por essa altura, já saberá se quer ou não aderir.

No futuro irei esrever um artigo só para este tipo de páginas pois são a melhor forma de vender um produto ou serviço. Existem vários princípios importantes e mesmo esta página da MEO poderia ser melhorada.

Bónus Exclusivo: Faça Download deste mega artigo em PDF (são mais de 30 imagens e quase 4300 palavras). Inclui os estudos mais recentes na área da persuasão e influência comportamental. 
 

Conclusão

 

Estes são os 10 princípios de um website persuasivo. Se os aplicar de forma correta no seu site, terá com certeza, um aumento nas suas conversões. Isto por 3 razões:

  • Mostra um maior conhecimento do seu público e do que eles querem
  • Explica porque é a melhor escolha para o que procuram
  • Terá o site mais claro e bem estruturado, para os ajudar a tomar uma decisão de compra informada.

Uma última coisa. Se gostou do artigo e conhece alguém que poderia beneficiar dele, partilhe com essa pessoa. Envie o link por email ou partilhe nas redes sociais.

Até ao próximo artigo, continue a crescer, de forma inteligente.

Imagem Inicial: Jam

Siga-nos nas redes sociais

    

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *